segunda-feira, 4 de junho de 2012

Armadas ao vento #01


-Cara, tu não tá ligado na situação, a menina até que ia de bem a mais ou menos, mas bafo de feijão complicou um pouco as coisas... Mas aí rola fazer aquela inserção emergencial de balas, já sabe...
Enquanto tocava notas aleatórias em seu violão, Shears contava a Luke as aventuras ou, melhor dizendo, desventuras da noite passada.  
-Não faz sentido, meu querido, em uma turma de quatro meninas você beija a mais feia?
-Opa, opa, opa, mais feia não! A gordinha de rosa conseguia ser pior, certamente. – disse o rapaz em um tom receoso – Bem, ao menos tinha todos os dentes na boca!
             Eram com essas e outras atitudes do companheiro que Luke ficava perplexo com a cara de pau e, principalmente, coragem do amigo.
             -Ta, então tu beijou a segunda mais feia, grande diferença... PUTZ! E essa loira aqui do lado? – o olhar do garoto ficou perplexo ao abrir uma das fotos do encontro no Facebook – Tomou um toco dela e depois partiu pra rapa?
             -Mestre, segunda mais feia não, eu diria a terceira menos bonita, soa melhor... Ah, essa loira ai? Nem levei o toco não. Por que eu iria de cara na loira? Isso qualquer um faria, caralho!
              -Óbvio, até o mais bêbado da Babilônia! E olhe só essa moreninha aqui, bem mais comestível que as outras. Ela ou a loira, as demais, fora de cogitação
              Procurando dissuadir Shears de todas as formas possíveis, o amigo  lhe mostrava agora fotos da loiraça em seu singelo álbum “Cancun 2010”.
              -Vamos refletir, meu caro. Certo, se coloque no lugar da delícia aí, quatro amigas saem juntas: ela, a perfeição da natureza, coelhinha da Playboy  e, as outras,  consideravelmente em um mesmo nível. Aposto meu cú e trinta conto que quando cheguei pra conversar com aquelas “chicas” a nossa lindinha esperava ser alvo das minhas investidas furtivas. Porém, como imagina ter sido seu desapontamento? Como você se sentiria sendo trocada por uma “coisa dessas”? A probabilidade de sucesso com as duas se torna maior, sendo que ela deixamos para uma outra pedida. Concorda?
              Ao término do que mais parecia ser uma defesa de mestrado, os dois puseram-se a rir descontroladamente.
              -Eu estou falando sério! – insistiu Shears -  as consequências de um orgulho feminino ferido são grandes, meu caro, agora, nossa belezinha vai fazer de tudo  para provar que também é capaz de realizar a proeza que sua amiga fez! E, é claro, a proeza a ser realizada envolverá diretamente a minha pessoa e, para evitar que haja algum conflito entre as duas, cederei aos desejos da pobre donzela. Direitos iguais, não é mesmo?
              -Não viaja, cara! Larga esse violão e para de falar bosta! Estamos atrasadas para a aula de Filosofia, tio Led, com toda certeza, está ansioso para nos explanar um pouco mais sobre o malandro do Maquiavel.
              Os rapazes abandonaram o ócio do velho apartamento e partiram em direção ao terror e turbulência da escola.
              Já dentro do elevador disse Shears de maneira reflexiva:
              -Maquiavel, esse é o cara! Aposto que ele me daria razão: os fins ainda justificarão os meios!